Olhar, Imaginário e Circulação de Dados: entrevista com David Beer

dba4cda7-b75e-4fc7-8113-c92174c2a7e2

David Beer, professor de Sociologia da University of York, Inglaterra, lançou no fim de 2018 o seu mais recente livro, The Data Gaze: Capitalism, Power and Perception. Após pesquisa sobre 34 empresas de análise de dados, Beer aborda como o imaginário de dados molda nossa percepção sobre questões como neutralidade, relevância e transparência dos algoritmos e dados. Em outras obras, como Metric Power Popular Culture and New Media (com capítulo gratuito aqui), o autor já tinha trabalhado questões como métricas, circulação de dados e políticas de circulação. Confira entrevista exclusiva com David Beer:

 

DIGILABOUR: O que é o olhar de dados (data gaze)?

DAVID BEER: O olhar de dados (data gaze) é um conceito destinado a pensar sobre os modos como vemos e somos vistos pelos dados. Assim, pretende-se pensar sobre os novos tipos de conhecimento que surgem, como eles se organizam e como formam as infraestruturas para que seja produzido conhecimento sobre nós, tanto as pessoas envolvidas nessas práticas quanto as ideias e os ideais que estão ligados aos dados que são extraídas de nossas vidas cotidianas de diferentes maneiras. Assim, o olhar de dados (data gaze) é uma tentativa de pensar sobre os novos tipos de conhecimento que emergem nesses dados extraídos e analisados.

 

DIGILABOUR: O que você chama de imaginário de dados?

BEER: Considero o imaginário de dados como uma espécie de ponta do iceberg do olhar de dados. Ele testa as coisas e abre espaços para que a análise de dados possa se espalhar ainda mais em nossas vidas. Então, o imaginário de dados é sobre o modo como pensamos sobre eles, os ideais subjacentes que estão ligados a eles. Assim, o imaginário de dados tem a intenção de pensar em como promessas poderosas são conectadas aos dados, como isso atrai as pessoas para a análise de dados e, mais ainda, permitindo que a análise de dados seja expandida e disseminada pelas organizações e instituições das quais nós fazemos parte. Portanto, esse tipo de olhar para a análise de dados pode ser distribuído pelo mundo social, pelas infraestruturas sociais e pelas organizações em que vivemos.

 

DIGILABOUR: Você pesquisou 34 empresas de análise de dados (data analytics). Quais os seus principais achados?

BEER: Eu usei a pesquisa com empresas de análise de dados como base para entender o imaginário de dados. Encontrei uma série de características desse imaginário que compreende os dados como rápidos, acessíveis e panorâmicos, que poderiam revelar as profundezas ocultas da vida cotidiana, e também das estruturas e organizações, daquilo tudo que foi considerado como smart. Então, esses tipos de características eram coisas que eu considerava promessas e ideais projetados atualmente, a fim de empurrar e espalhar práticas alternativas. E o que eu encontrei, enquanto analisava as infraestruturas e práticas de análise de dados, foi que esses ideais se tornaram parte do modo como as próprias infraestruturas foram criadas, codificadas e produzidas, e também do modo como as práticas foram moldadas de acordo com a visão daqueles que estavam envolvidos na análise de dados. Assim, o livro The Data Gaze usa essa base para pensar sobre o modo como os imaginários produzidos em torno dos dados se espalham nas infraestruturas e práticas de análise de dados, e como eles formam e conformam o ordenamento das coisas. Eu encontrei uma série de coisas sobre o olhar de dados e como ele pontua o lugar das coisas, ou seja, esse olhar de dados é um tipo de distribuição, não é como se você abrisse um espaço analítico como uma clínica. Eu usei o livro “O Nascimento da Clínica”, de Foucault, como comparação. Quando você entra em um espaço clínico, esse olhar clínico se espalhava pelas estruturas, o que torna o olhar cada vez mais difícil de escapar. Mas também isso continua tão vivo que, na verdade, hoje tudo isso volta-se para si próprio. Então, seu desempenho e seu progresso são constantemente monitorados, assim como suas próprias capacidades. As pessoas são monitoradas por seus próprios sistemas. Então, é como se tivesse um hype em cima da vigilância.

 

DIGILABOUR: Em livros anteriores, você tratou de políticas de circulação, circulação de dados e métricas, e circulação da cultura popular. Qual a contribuição dessa noção de circulação para a pesquisa em ciências sociais e humanas?

BEER: Quando eu escrevi Popular Culture and New Media: the politics of circulation, por volta de 2012, uma das coisas que notei foi que havia muito falatório em cima de expressões como mineração de dados e extração de dados, mas pareceu-me que o mais interessante era mesmo o modo como os dados voltavam para o mundo social, mudando-o. Então, nesse livro em particular, eu olho para o modo como os dados circulam ou voltam à cultura e mudam noções sobre o que é cultura, do que ela é feita, como pode ser compreendida… E há uma política de circulação acontecendo. Então, você pode entender como as coisas surgem ou se tornam visíveis, ou como as tendências acontecem. Você pode entender que a cultura se encontra com diferentes tipos de música, games ou filmes, centrando o estudo nessas circulações de dados e nos sistemas que sustentam essas circulações. Assim, esse livro analisou a maneira como as coisas são classificadas em arquivos, ou como os algoritmos criam sistemas que facilitam a circulação desses dados em nossas vidas. Eu percebi, então, que havia uma série de questões políticas relacionadas a esses modos de circulação. Aí eu foquei em questões de métricas e mensuração, no livro Metric Power, pensando nos tipos de dinâmicas políticas que circulam nas métricas de dados e como isso dita as formas e molda nossas vidas de maneiras diferentes. E particularmente eu estava pensando em como o poder é exercido por meio de métricas de dados. Portanto, essas circulações estão diretamente ligadas a questões políticas e de relações de poder. Quem controla essa circulação de dados? Como ela acontece? Como são os sistemas que sustentam essa circulação? São essas circulações de dados que realmente desafiam nossas vidas de muitas formas diferentes. E isso me levou finalmente ao livro The Data Gaze. O que eu queria fazer era, com essas circulações de dados acontecendo, distinguir quem são as pessoas e quais são os sistemas que estão intervindo nessas circulações de dados, quem é que está mediando, ou ainda, como essas circulações de dados são mediadas por sistemas e pessoas. Foi esse o caminho que percorri. E é por isso que eu acho que a circulação é importante, porque a circulação é o momento em que os dados voltam para o social, reformulando-o. Há processos circulatórios que são difíceis de entender, mas foi uma parte importante conceituar isso se você quer compreender o que se passa na cultura contemporânea.

 

Confira também outros textos do autor aquiaquiaqui e aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s