entrevista

Abolir o Vale do Silício: entrevista com Wendy Liu

Cientista da computação fala sobre organização dos trabalhadores de tecnologia

Cientista da computação, Wendy Liu trabalhava com programação, e desde 2017 escreve sobre tecnologia e trabalho a partir de uma perspectiva de esquerda. Alguns textos dela aqui, aqui e aqui. Atualmente, está escrevendo um livro chamado Abolir o Vale do Silício. Em entrevista ao DigiLabour, fala sobre tecnologia de um ponto de vista de esquerda, a organização dos trabalhadores de tecnologia e o que significa abolir o Vale do Silício.

 

DIGILABOUR: Qual seria uma agenda socialista para as tecnologias?

WENDY LIU: Em primeiro lugar, é importante ir além de binarismos. A tecnologia não é boa nem má. Devemos criar o hábito de separar a tecnologia, em sua forma abstrata, do modo como ela está sendo usada devido ao sistema socioeconômico. O fato de um tipo particular de tecnologia facilitar a opressão ou a exploração em nossa atual ordem mundial não significa que haja algo intrinsecamente ruim sobre a tecnologia. Em vez disso, devemos especificar a relação de dominação existente envolvendo a tecnologia. Grande parte da tecnologia que existe no capitalismo tem outras aplicações, muitas das quais poderiam ser diretamente relevantes para fins socialistas. A questão é liberar essa tecnologia dos usos para os quais ela está sendo usada atualmente. Os algoritmos da Uber, os sistemas de logística da Amazon, a infraestrutura incrivelmente complicada que nos permite interagir uns com os outros na internet… essa tecnologia atualmente está trancada dentro das corporações, gerando lucro às custas de servir ao bem público. Como Leigh Phillips e Michal Rozworski escrevem em seu livro mais recente, People’s Republic of Walmart, essa tecnologia pode ser a chave para pensar qualquer visão socialista que inclua controle em larga escala sobre os meios de produção. O desafio para a esquerda, então, é elaborar uma estratégia que tome para si essa tecnologia, o que provavelmente envolverá o apoio daqueles que já trabalham na indústria de tecnologia, e que possuem conhecimento relevante sobre o assunto. Portanto, acho que um projeto paralelo é os trabalhadores de tecnologia se organizarem, a ponto de constituírem uma força poderosa dentro das corporações, exigindo maior controle sobre a tecnologia. Isso poderia complementar o objetivo de alcançar um controle mais democrático sobre a tecnologia, como um primeiro passo para desfazer o modelo tipicamente autoritário de gerenciamento de empresas de tecnologia. Na verdade, existe um grupo no Brasil que parece estar fazendo isso, que foi inspirado na Tech Workers Coalition, dos Estados Unidos. Eles foram entrevistados pelo Notes from Below ano passado: “Precisamos pensar em uma grave dos trabalhadores de tecnologia”. O movimento trabalhista em tecnologia ainda é muito incipiente, mas acho que é um passo na direção certa: reconhecer que a tecnologia foi mal utilizada no capitalismo, mas que pode ser direcionada para fins melhores, se tivermos vontade política.

 

DIGILABOUR: Conte-nos mais sobre a organização dos trabalhadores de tecnologia…

LIU: Nos últimos meses, houve desenvolvimentos realmente interessantes nas grandes empresas de tecnologia, algo que eu nunca havia pensado que veria quando ainda trabalhava com tecnologia. Há uma percepção comum de que, como os profissionais de tecnologia em funções específicas são tão requisitados, eles devem ser bem pagos e, portanto, não podem ter nenhuma das queixas dos trabalhadores. Mas isso só foi verdade por um tempo. A indústria de tecnologia sempre desvalorizou certos tipos de mão de obra com base no perfil de quem a realiza, mesmo quando estão fazendo o trabalho que deve ser considerado valioso. Mulheres, pessoas negras e trabalhadores mais velhos têm alarmado sobre a hostilidade da indústria de tecnologia há muito tempo, e a onda mais recente de organização dos trabalhadores da área tem origem em um reconhecimento dessas críticas. Outro fator importante aqui é que as condições do setor estão mudando. Nós não estamos mais na idade de ouro da tecnologia. Você ainda pode ganhar muito dinheiro no setor se tiver o background e o network corretos, mas a demanda por trabalho se expandiu ao ponto de as empresas poderem se envolver em práticas de exploração mais óbvias. A maioria dos trabalhadores do Google não são funcionários em período integral, mas recebem contratos de curto prazo ou trabalham para agências que não lhes dão os mesmos benefícios ou prestígio. O que isso significa é que muitos dos trabalhadores mais novos, que entraram no setor porque ficaram entusiasmados com o trabalho, ou simplesmente porque queriam um emprego bem remunerado, estão presos em situações de trabalho muito diferentes do sonho estereotipado do Vale do Silício. A empresa os trata como se pudessem ser trocados a qualquer momento, o que é desmoralizante e até insultuoso. Para esses trabalhadores, faz sentido que eles se unam para exigir melhores condições de trabalho. Mas a organização desses trabalhadores não precisa se limitar às condições do local de trabalho. Muitos dos esforços de organização no último ano foram em torno de preocupações éticas em relação aos usos dos produtos que estão sendo desenvolvidos. Contra o pano de fundo do desmoronamento do establishment político, faz sentido considerar outras vias de mudança. A indústria de tecnologia está especialmente bem preparada como um lugar de luta, dada à sua imensa riqueza, bem como a sua importância infraestrutural para outros setores da economia.

 

DIGILABOUR: Por que abolir o Vale do Silício?

LIU: Abolir o Vale do Silício não significa parar o desenvolvimento tecnológico, mas desafiar o atual modo de produção que força a tecnologia a ser desenvolvida principalmente para fins capitalistas. Significa liberar o desenvolvimento tecnológico da busca incessante pelo lucro, porque isso leva a resultados que são ineficientes, com desperdício, e, em última instância, trata-se de uma distração em relação ao que a sociedade deveria estar trabalhando, por exemplo, lidar com as inúmeras mudanças ecológicas que estamos começando a enfrentar. Ficou muito claro para mim que permitir que a tecnologia seja impulsionada pelas necessidades do capital, financiada por grandes fundos de investimento e gerenciadas na esperança de gerar um retorno, é algo ruim. Nós não precisamos de um milhão de aplicativos de entrega de comida, e é patentemente imoral que tantas pessoas trabalhem em empresas de tecnologia como Uber ou Amazon simplesmente para que alguns investidores e executivos fiquem extremamente ricos. O atual modelo industrial de desenvolvimento tecnológico está distorcendo as promessas utópicas do que a tecnologia poderia ser, criando um mundo altamente estratificado. Nós podemos e devemos fazer algo melhor.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: